Menu fechado

Claudia Woods, CEO da Uber no Brasil, foge de polêmicas: “aprendemos a escutar” – UOL

Tilt: A Uber é uma empresa que mudou até as relações humanas. O que podemos prever para os próximos 10 ou 15 anos? Ela pode continuar transformando a sociedade?

Claudia Woods: Vai continuar. Uma visão importante é a gente entender que a Uber não é mais uma empresa de ride sharing [compartilhamento de caronas], de aplicativo de transporte. Ela já é uma plataforma de vários tipos de empresas, todas relacionadas à locomoção do ponto A ao B. Às vezes de pessoas, de coisas, comida. Quando a gente olha para o presente, para a cidade de São Paulo, temos o Uber ride sharing, o Uber Eats [app de delivery de comida] e, em breve, teremos patinetes e bicicletas elétricas…

Tilt: Eu conversei no ano passado com o Ryan [Rzepecki], CEO da Jump [serviço de bicicletas elétricas compartilhadas da Uber], e ele me falou que até 2019 a empresa chegaria ao Brasil com patinetes e bicicletas. Por que não chegou ainda?

Claudia Woods: Chegará, ainda estamos em 2019. Aí já são três opções dentro de uma mesma plataforma.

Quando a gente olha para o futuro, o que enxergamos? Denver, onde já há integração com o transporte público e você consegue fazer um planejamento de rota levando em consideração carro, patinete, ônibus e metrô, até com integração de pagamento. Isso seria uma plataforma em um nível mais completo. Quando a gente olha além desse mercado mais óbvio, tem o Uber Freight [frete], que já é relevante no mundo da logística, mudando completamente a relação das empresas com suas frotas de transporte de carga.

E tem o tão sonhado carro voador. O Uber Air já é uma realidade, existem parcerias com empresas como Embraer e Boeing para começar o desenvolvimento desse hardware para a gente começar a pilotar em 2023. É o melhor exemplo de que a gente não tem limites. Mostra nossa ousadia, nossa busca pela inovação contínua. Essa plataforma não termina na patinete ou na bicicleta, ela vai cada vez mais além do esperado.

Veja também:  No Uber, passageiros demoram a abrir vidros e policial avisa: “Aqui no Rio, tem gente que morre assim”

Tilt: No Brasil já existem conversas para usar o transporte público como em Denver? Já houve alguma tentativa disso, uma aproximação?

Claudia Woods: Apesar de ser uma empresa gigante que atua globalmente, no Brasil a gente atua no nível do município. Essas conversas com o Transit estão em andamento nesse nível. É até um dos nossos valores: “we build globally, but we act locally” [“construímos globalmente, mas agimos localmente”]. Não adianta pegar o produto que foi implementado em Denver e falar ‘beleza, vamos implementar aqui em São Paulo, tá aqui’. Essas conversas estão em andamento.

Tilt: O que vem primeiro? O carro voador da Uber ou o carro autônomo?

Claudia Woods: É a pergunta de um milhão de dólares, reais, bitcoins, qualquer moeda que queira. Quando a gente fala de autônomo, a gente precisa reprogramar nosso cérebro para entender o que é isso. Não estamos falando dos 600 mil carros da plataforma virarem autônomos. A tendência é isso começar primeiro em um mercado de logística, com caminhões em estradas e rotas e ambientes muito previsíveis.

Pensamos muito no carro e na tecnologia, se está pronta. E aí ouvi um exemplo em uma palestra: o carro autônomo está na fila de buscar as crianças na escola. Chega a vez de pegar seu filho e a criança foi ao banheiro, não está no local naquele momento. O que ele faz? Espera e segura a fila inteira? Entende que tem que dar meia-volta? Ele sabe que vai voltar para o fim da fila? Tem um lado humano nisso.

Reportagem Original


Caso ainda não conheça nossa comunidade, o Mundo Uber tem um fórum onde os membros podem interagir e postar dicas e dúvidas para os demais motoristas de aplicativo. Para acessar o fórum, é bem simples, basta clicar nesse link:
https://mundouber.com/forum/

Deixe uma resposta

Pular para a barra de ferramentas